Resenha do filme Amor pra cachorro

O filme “Amor pra cachorro” (Year of the Dog) foi lançado em 2007. Ele é classificado como drama-comédia, sobre a busca pelo amor. O filme mostra extremos e, por mais forçado que seja o comportamento dos personagens, eu não consegui ver muita graça. Qualquer pessoa com o mínimo de informação percebe que tem muita coisa errada. E é nesse ponto que o filme se mostra muito interessante, porque faz pensar.  year-of-the-dog-movie

A trama conta a história de Peggy, (Molly Shannon) trabalha como secretária, e percebe-se desde o início que ela não “se encaixa” aquele lugar, não tem afinidade com as pessoas. Na sinopse diz que ela tem uma grande amiga e irmã, mas a verdade é que ela é usada para ouvir sobre a vida dos outros e ninguém a ouve ou se preocupa com ela. A vida de Peggy é muito tranquila e solitária, a realização pessoal dela é o cãozinho Pencil, com o qual divida a sua casa.

Depois de um acontecimento inesperado, Peggy tem contato com conceitos como: adoção, posse responsável, veganismo, com a causa animal e o ativismo. Começa a perceber o mundo e as crueldades às quais os animais são submetidas por futilidades humanas. Enquanto mergulha nesse universo e repensa as suas ações, ela vai desastrosamente compartilhando essas novas ideias com as pessoas que a cercam. E, acredito, é nesse momento que começa a “comédia”.

A família do seu irmão é aquela típica americana, com um marido pateta e uma mulher fútil ao extremo, e duas crianças. Eles vivem preocupados com as aparências e ficam escandalizados com as novas escolhas de Peggy. A sensibilização que ela tenta transmitir para o irmão e a cunhada não funcionam, mas ela consegue plantar uma sementinha na sua sobrinha. E esse é um momento memorável, porque ela acredita ter se excedido e depois tem uma grata surpresa – brilhante desfecho.

No trabalho, Peggy perde a noção, começa a lutar por animais em perigo e usa artifícios inaceitáveis às vezes para atingir seu objetivo. Um momento engraçado, principalmente para quem é vegano, é quando ela leva muffins veganos para os colegas. Todos estão adorando, até o momento em que ela conta que não têm leite, manteiga, nada de origem animal. A reação preconceituosa sem noção: param de comer e saem de perto dela. Quantas vezes um vegetariano passa por situações assim, as pessoas não conseguem conceber uma comida boa sem bicho ou derivados, e o filme retrata isso muito bem.

Outro momento legal do filme é a questão da adoção e posse responsável. A personagem adota um cão (Valentine) que seria sacrificado por comportamento agressivo, e ele a conduz para esse novo universo. Ela encontra dificuldades, mas não pensa em abandoná-lo em momento algum. Como Peggy é sem noção, em um determinado momento da trama ela toma uma atitude extrema, e dá mais um exemplo do que não fazer. Além disso, mostra porque é tão difícil para os amigos dos animais ficar quieto diante de situações como: abates, exploração, testes, maus tratos e etc.

No mais, o filme é um belo exemplo de como não tentar evangelizar as pessoas a sua volta para refletirem sobre a causa animal. Mas, também serve para mostrar que às vezes medidas extremas são necessárias para movimentar o mundo a nossa volta e promover uma mudança, ou pelo menos mostrar outros caminhos.

É um filme que vale a pena indicar para pessoas que não têm contato com a causa animal, para que reflitam sobre o assunto. E um ótimo passatempo para quem é sensível à causa, ama os animais, adora o seu cachorro. É fofo e absurdo ao mesmo tempo, fala de amor sem ser meloso, é sutil e, bom… não consegui ver a comédia, mas talvez com uma segunda tentativa eu veja esse lado. Quem sabe.

 

Abaixo o trailer do filme, o qual não encontrei em português, o link para o site do Adoro Cinema com ficha técnica e outras imagens, e também o link para assistir o filme online pelo iTunes. Bom divertimento!

 

Assistir Amor pra cachorro – iTunes

Informações do filme Amor pra cachorro – Adoro Cinema

Anúncios